quarta-feira, 11 de abril de 2018

EXORTAÇÃO APOSTÓLICA GAUDETE ET EXSULTATE

              Nova Exortação Apostólica do Papa Francisco,

EXORTAÇÃO APOSTÓLICA
GAUDETE ET EXSULTATEDO SANTO PADRE
FRANCISCO
SOBRE A CHAMADA À SANTIDADE
NO MUNDO ATUAL


 «ALEGRAI-VOS E EXULTAI» (Mt 5, 12), diz Jesus a quantos são perseguidos ou humilhados por causa d’Ele. O Senhor pede tudo e, em troca, oferece a vida verdadeira, a felicidade para a qual fomos criados. Quer-nos santos e espera que não nos resignemos com uma vida medíocre, superficial e indecisa. Com efeito, a chamada à santidade está patente, de várias maneiras, desde as primeiras páginas da Bíblia; a Abraão, o Senhor propô-la nestes termos: «anda na minha presença e sê perfeito» (Gn 17, 1).
2. Não se deve esperar aqui um tratado sobre a santidade, com muitas definições e distinções que poderiam enriquecer este tema importante ou com análises que se poderiam fazer acerca dos meios de santificação. O meu objetivo é humilde: fazer ressoar mais uma vez a chamada à santidade, procurando encarná-la no contexto atual, com os seus riscos, desafios e oportunidades, porque o Senhor escolheu cada um de nós «para ser santo e irrepreensível na sua presença, no amor» (cf. Ef 1, 4).

'Gaudete et Exsultate' (em português,«Alegrai-vos e exultai»
           Já disponível no site do Vaticano.
http://w2.vatican.va/content/francesco/pt/apost_exhortations/documents/papa-francesco_esortazione-ap_20180319_gaudete-et-exsultate.html

CONVITE 1A COMUNHÃO EUCARÍSTICA - IVC


sexta-feira, 6 de abril de 2018

O PRESENTE

https://www.youtube.com/watch?v=rMh6gRMMqNw&sns=em
O brasileiro Fábio Coala criou a tirinha que inspirou o vídeo.
Ilustrador e quadrinista de talento reconhecido – amplia o nosso olhar e nos convida a refletir. 
O vídeo, internacionalmente premiado, mostra de modo sensível e emocionante, o quanto a interação entre o homem e os animais pode auxiliar o ser humano a superar as sua limitações e necessidades, até mesmo, reumanizar-se. 
Um processo de amadurecimento e aceitação – descobrir a si mesmo e viver em equilíbrio. Amar-se!
Amar é ser para o outro! O que vier de volta é pura alegria, uma grande festa!
Para que as luzes do outro sejam percebidas por mim
devo por bem apagar as minhas,
no sentido de me tornar disponível para o outro.
Mia Couto
https://www.youtube.com/watch?v=rMh6gRMMqNw&sns=em

terça-feira, 3 de abril de 2018

Marcelo Câmara, um Promotor de Justiça no caminho da santidade

Em dezembro de 2017, foi publicada pela editora Cultor de Livros a biografia do jovem Promotor de Justiça, Marcelo Câmara, o Marcelinho, que viveu em Florianópolis e deixou esta vida aos 28 anos de idade, com fama de santidade.

Mas quem foi Marcelinho Câmara?
Marcelo Henrique Câmara foi um filho e irmão extremamente dedicado à sua família. Amadureceu muito cedo com a separação dos pais e aos 10 anos de idade, assumiu atitude de responsabilidade pela mãe e pelo irmão mais novo. Na juventude procurou render ao máximo seus exímios dotes intelectuais, empenhando-se nos estudos. Tornou-se mestre em Direito, atuou como professor substituto da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e como Promotor de Justiça do Estado.
No início do curso universitário participou do retiro espiritual do Movimento de Emaús, quando obteve a graça de profunda conversão ao Evangelho. Nos anos seguintes exerceu intenso apostolado com os jovens do Movimento e na sua Paróquia Sagrado Coração de Jesus, do bairro Inglese, em Florianópolis. Participando dos meios de formação da Opus Dei, encontrou a confirmação da sua vocação laical de santificar as realidades temporais, incluindo o trabalho profissional.
Foi surpreendido pela descoberta de um linfoma, que posteriormente evoluiu para leucemia. Enfrentou com extraordinária serenidade o longo processo de luta pela vida, transformando o sofrimento em fonte de esperança e fé para as pessoas que o procuravam.
Veio a falecer em uma Quinta-feira Santa, dia 20 de março de 2008. Desde então, a fama de  santidade do jovem começou a ficar mais conhecida.
Acredita-se que a vida santa do Marcelinho tem muito a contribuir para a sociedade atual: oferece um ideal para os jovens, consola e traz esperança às famílias marcadas pela separação, inspira as autoridades públicas a servir com justiça, honestidade, zelo e caridade. Enfim, desperta a vontade de viver ardentemente o amor nas realidades mais comuns da vida, mostrando que a santidade é um convite e uma possibilidade para todos.
Na missa de sétimo dia, o orientador espiritual do Movimento de Emaús, Monsenhor Francisco de Sales Bianchini, emocionado, aconselhou os presentes a não rezarem pelo Marcelo, mas a pedir sua intercessão junto a Deus, porque era verdadeiramente um santo.
O livro…
A obra NO CAMINHO DA SANTIDADE – A vida de Marcelo Câmara, um Promotor de Justiça, conta ainda com o prefácio redigido pelo Padre Hélio Tadeu Luciano de Oliveira e com quatro apêndices.
No Apêndice I, encontram-se vários relatos de graças alcançadas atribuídas à intercessão do Marcelo, havendo a notícia de favor recebido até no Japão.
No Apêndice II, sob o título “Marcelinho, um amigo que mora no Céu”, procura-se apresentar uma narrativa sintética da vida do jovem com uma linguagem simples, para ser contada às crianças.
No Apêndice III, o Vigário Geral da Arquidiocese de Florianópolis e Orientador Espiritual do Movimento de EmaúsPadre Vitor Galdino Feller, apresenta o sentido cristão da visitação do túmulo daqueles que deixam esta vida com fama de santidade, e faz um convite à visitação piedosa do túmulo do Marcelo.
E no Apêndice IVa pedido do Arcebispo da Arquidiocese, Dom Wilson Tadeu Jönck, scj, exibe-se um índice de leitura guiada, facilitando o estudo da vida do Marcelo pelos temas centrais que compuseram o seu caminho de santidade.
É uma obra para refletir, para rezar, para se emocionar, enfim, para se inspirar.
A autora…
Maria Zoê Bellani Lyra Espindola é casada, mãe de quatro filhos. Mestre em Direito pela Universidade Federal de Santa Catarina, exerce também a profissão de servidora pública federal, atuando como analista judiciário do Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região na cidade de Timbó (SC). Co-autora da obra REGINA – Regulação Inteligente da Natalidade: Fundamentos para o Planejamento Familiar, publicada pela Comissão Nacional da Pastoral Familiar, organismo vinculado à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).
Lançamento em 2018…
O lançamento oficial da obra ocorreu no dia 20 de março de 2018às 19h30, na Catedral Metropolitana de Florianópolis, após a Missa celebrada na intenção dos dez anos de falecimento do Marcelo, que foi presidida pelo Arcebispo Dom Wilson Tadeu Jönck.
O livro por ser adquirido no site da editora Cultor de Livros: https://www.cultordelivros.com.br/produto/no-caminho-da-santidade-78455
Além do site, para quem mora em Florianópolis poderá adquirir o livro na Igreja da Imaculada Conceição (Rua Vitor Konder, Centro), na Divino Oleiro (CEAR), e também junto ao Movimento de Emaús pelo telefone (48) 9-9963-6550.
Pede-se que depoimentos de graças alcançadas, sejam comunicados no site www.marcelocamara.org.br
fonte http://arquifln.org.br/projetos/marcelo-camara-um-promotor-de-justica-no-caminho-da-santidade/

DEPOIMENTO DE D. WILSON CADA COMUNIDADE UMA NOVA VOCAÇÃO

O primeiro vídeo do projeto vocacional, CADA COMUNIDADE UMA NOVA VOCAÇÃO é com o Arcebispo de Florianópolis, Dom Wilson Tadeu Jonck, scj.

Ele conta um pouco sobre a sua história de vida.


sábado, 31 de março de 2018

Os símbolos do Sábado Santo

Os símbolos do Sábado Santo: Neste Sábado Santo, a Igreja celebra a Vigília Pascal, considerada a mãe de todas as vigílias por realizar-se na noite em que Cristo passou da morte à vida. Esta celebração possui quatro partes: a liturgia da luz; a liturgia da Palavra; a liturgia batismal; e a liturgia eucarística. Conheça os símbolos presentes nessa Missa.

1. A luz e o fogo
Desde sempre, a luz existe em estreita relação com a escuridão: na história pessoal ou social, uma época sombria vai seguida de uma época luminosa; na natureza é das escuridões da terra de onde brota à luz a nova planta, assim como à noite lhe sucede o dia.
A luz também se associa ao conhecimento, ao tomar consciência de algo novo, frente à escuridão da ignorância. E porque sem luz não poderíamos viver, a luz, sempre, mas sobretudo nas Escrituras, simboliza a vida, a salvação, que é Ele mesmo (Sl 27,1; Is 60, 19-20).
A luz de Deus é uma luz no caminho dos homens (Sl 119, 105), assim como sua Palavra (Is 2,3-5). O Messias traz também a luz e Ele mesmo é luz (Is 42.6; Lc 2,32).
As trevas, então, são símbolo do mal, a desgraça, o castigo, a perdição e a morte (Jó 18, 6. 18; Am 5. 18). Mas é Deus quem penetra e dissipa as trevas (Is 60, 1-2) e chama os homens à luz (Is 42,7).
Jesus é a luz do mundo (Jo 8, 12; 9,5) e, por isso, seus discípulos também devem sê-lo para outros (Mt 5,14), convertendo-se em reflexos da luz de Cristo (2 Cor 4,6). Uma conduta inspirada no amor é o sinal de que se está na luz (1 Jo 2,8-11).
Durante a primeira parte da Vigília Pascal, chamada “lucenário”, a fonte de luz é o fogo. Este, além de iluminar, queima e, ao queimar, purifica. Como o sol por seus raios, o fogo simboliza a ação fecundante, purificadora e iluminadora. Por isso, na liturgia, os simbolismos da luz–chama e iluminar–arder se encontram quase sempre juntos.
2. O círio pascal
Entre todos os simbolismos derivados da luz e do fogo, o círio pascal é a expressão mais forte, porque reúne ambos.
O círio pascal representa Cristo ressuscitado, vencedor das trevas e da morte, sol que não tem ocaso. Acende-se com fogo novo, produzido em completa escuridão, porque, na Páscoa, tudo se renova: dele se acendem as demais luzes.
As características da luz são descritas no exultet e formam uma unidade indissolúvel com o anúncio da libertação pascal. O círio aceso é, pois, um memorial da Páscoa. Durante todo o tempo pascal o círio estará aceso para indicar a presença do Ressuscitado entre os seus.
Os símbolos do Batismo
1. A água
Embora o rito do Batismo esteja repleto de símbolos, a água é o elemento central, o símbolo por excelência. Em quase todas as religiões e culturas, a água possui um duplo significado: é fonte de vida e meio de purificação.
Nas Escrituras, encontramos as águas da Criação sobre as quais pairava o Espírito de Deus (Gn 1,2). A água é vida no regaço, na seiva, no líquido amniótico que nos envolve antes de nascer. No dilúvio universal, as águas torrenciais purificam a face da terra e dão lugar à nova criação a partir de Noé.
No deserto, os poços e os mananciais se oferecem aos nômades como fonte de alegria e de assombro. Perto deles, têm lugar os encontros sociais e sagrados, preparam-se os matrimônios, etc.
Os rios são fontes de fertilização de origem divina; as chuvas e o orvalho contribuem com sua fecundidade como benevolência de Deus. Sem a água, o nômade seria imediatamente condenado à morte e queimado pelo sol palestino. Por isso, pede-se a água na oração.
Yahvé se compara com uma chuva de primavera (Os 6,3), ao orvalho que faz crescer as flores (Os 14.6). O justo é semelhante à árvore plantada ao borde das águas que correm (Nm 24,6); a água é sinal de bênção.
Segundo Jeremias (2, 13), o povo de Israel, ao ser infiel, esquece Yahvé como fonte viva, querendo escavar suas próprias cisternas. A alma procura Deus como o cervo sedento procura a presença da água viva (Sl 42,2-3). A alma aparece assim como uma terra seca e sedenta, orientada para a água.
Jesus emprega também este simbolismo em sua conversa com a samaritana (Jo 4.1-14), a quem se revela como “água viva” que pode saciar sua sede de Deus. Ele mesmo se revela como a fonte dessa água: “Se alguém tiver sede, que venha para Mim e beba” (Jo 7,37-38). Como da rocha de Moisés, a água surge do flanco transpassado pela lança, símbolo de sua natureza divina e do Batismo (cf Jo 19,34).
Por este motivo, a água se converteu no elemento natural do primeiro sacramento da iniciação cristã.  Desde os primeiros séculos do cristianismo, os cristãos adultos eram batizados em uma espécie de pia cheia de água que tinha duas escadas: por uma descia e por outra saía. A imagem de “descer” às águas representava o momento da purificação dos pecados e estava associada à morte de Cristo.
A saída, subindo pelo lado oposto, representava o renascer à nova vida, como se estivesse saindo do ventre materno e era associado à ressurreição. No centro se fazia a profissão de fé pública. E isto significa que a água do batismo não é algo “mágico” – como pensam muitos – que protege ou transforma por si só, mas sim a expressão deste duplo compromisso: o de mudar de vida morrendo ao pecado e o de renovar a escala de valores, iluminados por Cristo, ressuscitados com Ele.
2. A veste branca
A cor branca sempre foi identificada com a pureza, com o inocente. Parece lógico que, desde os primeiros séculos do cristianismo, os catecúmenos fossem ao Batismo vestidos com túnicas brancas. Poderíamos considerá-lo, inclusive, como inspirado na imagem reiterada do Apocalipse, em que os seguidores fiéis do Cordeiro mereceram vestir-se de branco (cf 3,4-5.18; 4,4; 7,9.13-14; 19,14; 22,14).
Entretanto, os textos bíblicos dependeriam do que nos diz a tradição cultural dos primeiros séculos, anterior aos mesmos. Em todo o Império Romano, só os membros do Senado se vestiam com túnicas brancas, por isso os chamavam candidatus, do latim “cândido”, branco. Desta maneira, manifestava publicamente sua dignidade, a de servir ao Imperador, o qual se apresentava como o filho de deus.
Os cristãos, então, a irem vestidos de branco a receber o Batismo, tentaram mostrar que a verdadeira dignidade do homem não consiste em trabalhar para nenhum poder político, mas em servir a Jesus Cristo, o verdadeiro Filho de Deus. Portanto, mais que símbolo de pureza, era símbolo de dignidade, de vida nova, de compromisso com um estilo de vida e com o esforço cotidiano por conservá-la sem mancha, para ser considerados dignos de participar do banquete do Reino (cf. Mt 22, 12).
Em uma sociedade consumista como a nossa, em que a dignidade das pessoas depende de como vão vestidas, da moda que seguem, das marcas que usam, os cristãos deveriam nos perguntar o que fizemos de nossa “veste branca” batismal e verificar se, como diz São Paulo, “tendo-nos revestido de Cristo” (cf. Gl 3.27).

domingo, 25 de março de 2018

SEMANA SANTA

A Semana Santa deve ser um tempo de recolhimento, interiorização e abertura do coração e da mente para o Deus da vida

Iniciamos, no Domingo de Ramos, mais uma Semana Santa com a entrada triunfal de Jesus na cidade de Jerusalém. Aí começa uma nova fase na história do povo de Israel, quando todos se voltam para a cena da Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus Cristo.
A Semana Santa deve ser um tempo de recolhimento, interiorização e abertura do coração e da mente para o Deus da vida. Significa fazer uma parada para reflexão e reconstrução da espiritualidade, essencial para o equilíbrio emocional e a segurança no caminho natural da história de vida com mais objetividade e firmeza.
Quinta-feira Santa - Missa às 20h Em Sto Antonio de Lisboa
Quinta-Feira Santa, iniciamos o "Tríduo Pascal", são dias nos quais fazemos memória ao mistério de amor: Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus Cristo, centro de toda ação litúrgica. Neste dia, celebra-se, pela manhã, a Missa Crismal, ou seja, todos os sacerdotes se reúnem ao redor do bispo, no altar de cada diocese, em sinal de comunhão eclesial, para renovar as promessas sacerdotais 
É de suma importância voltar o coração àquele momento do propósito do eleito,  da promessa de obediência, da imposição das mãos e da oração consecratória, ao dia da ordenação de cada sacerdote.
  • Neste dia celebra-se a missa dos Santos óleos, e a missa da ceia do Senhor, onde se realiza também o rito do lava-pés, relembrando o gesto que Jesus fez com os seus discípulos. Este rito ajuda a compreender a importância do mandamento do amor para os cristãos.
Sexta-feira Santa - Adoração em Sto Antônio de Lisboa

Celebra-se neste dia a Paixão e Morte de Jesus Cristo, onde o jejum, a oração e o silêncio devem marcar este momento.
  •  Não se celebra a Eucaristia neste dia. O rito da celebração da Paixão do Senhor é composto de três partes: a liturgia da Palavra, a adoração da Cruz e a comunhão eucarística.
  • Ao contrário do que muitos pensam, a Paixão não deve ser vivida em clima de luto, mas de profundo respeito e meditação diante da morte do Senhor que, morrendo, foi vitorioso e trouxe a salvação para todos, ressurgindo para a vida eterna.

Sábado Santo 
  •  Nesse dia, venera-se o repouso de Jesus no sepulcro, e onde se realiza também a Vigília Pascal, que nada mais é uma noite de vigília em honra do Senhor (cf. Ex 12, 42).
  • O Sábado Santo, com o Jejum e com a Oração silenciosa, expressa também nossa inquebrantável esperança na ressurreição final e na Segunda vinda do Senhor. A terra, grávida de Cristo, está para dar à luz o Senhor ressuscitado, como primícias da nova criação.
  • A Vigília Pascal é densa e grande. A Celebração da Vigília Pascal é o centro da Semana Santa. Toda a quaresma e os dias santos preparam-nos para o momento culminante: o da ressurreição. 
A celebração compreende quatro partes: 
  • A liturgia da Luz,  a primeira parte desta Vigília celebra a Cristo, Luz que ilumina a todo homem, simbolizado no Círio Pascal, imagem de Cristo Ressuscitado.
  • Com a benção do fogo e do Círio, a Igreja às escuras na entrada do Círio lembra que o Cristo Ressuscitado é a luz do mundo, quebra a escuridão e enche de luz a todos aqueles que se aproxima dele com fé viva. É o triunfo da luz sobre as trevas do mal. Essa primeira parte termina com a ação de graças ou proclamação da Páscoa ( Exultet) , que exprime o caráter cósmico da vitória de Cristo
  • A Liturgia da Palavra -  as leituras do Antigo e Novo Testamento mostram em grandes pinceladas o amor maravilhoso de Deus. Desde a criação do mundo, todas as promessas e a aliança até a sua realização plena na morte e ressurreição de Cristo, mediador da Nova Aliança.
  • A Liturgia Batismal - Na terceira parte da Vigília, tudo o que é anunciado se faz realidade através dos sacramentos, dos quais, o batismo é o primeiro. O sinal sacramental do batismo é a água. O celebrante, enquanto mergulha o Círio Pascal na água, benze-a e consagra-a, pedindo a deus para que envie o Espírito Santo sobre ela, para torná-la fecunda e, assim, dessa água poderem nascer os filhos de Deus.
  • A Liturgia Eucarística – é a expressão de viver a nova vida de ressuscitados junto com Jesus . A eucaristia é o ponto alto da noite pascal. O encontro pessoal com o ressuscitado, na comunhão, torna-nos participantes do triunfo sobre a morte e sobre o mal. A Páscoa de Cristo é a nossa Páscoa, a Páscoa da Igreja (Rm 6, 9).

  • O centro da Semana Santa é a Vigília Pascal. Muitas coisas nos alegram na vida, assim como outras nos entristecem. Nenhuma nos pode alegrar tanto como a Ressurreição do Senhor. Desde que Cristo ressuscitou, a vida não é um caminho que fatalmente desemboca na morte, mas a morte é um caminho que fatalmente desemboca na vida.


  • Domingo de Páscoa 

Páscoa (do hebraico Pessach) significa passagem. É uma grande festa cristã para nós, é a maior e a mais importante festa. Reunimo-nos como povo de Deus para celebrarmos a Ressurreição de Jesus Cristo, Sua vitória sobre a morte e Sua passagem transformadora em nossa vida.

A Páscoa é o centro do Ano Litúrgico e de toda a vida da Igreja. Celebrá-la é celebrar a obra da redenção humana e da glorificação de Deus que Cristo realizou quando, morrendo, destruiu a morte; e ressuscitando, renovou a nossa vida.


Todos nós cristãos devemos, hoje, nos comprometer em nos mantermos fiéis às nossas origens e celebrarmos o sentido original, belo e profundo da nossa maravilhosa festa, que é a celebração da Ressurreição do Senhor. Que nossas boas obras e nossas vozes, em cada canto das nossas cidades, possam levar a alegria do Ressuscitado; sobretudo aos pobres, doentes, distanciados e a todas as pessoas, pois são amadas pelo Pai.



Irradiemos ao nosso redor a esperança e a certeza da presença de Cristo Ressuscitado. Que se encha nosso olhar de luz, como os das mulheres que viram o sepulcro vazio e o Filho de Deus ressuscitado (Mt 28). Que possamos também nós, numa só fé, exclamar como elas: O Senhor Ressuscitou, aleluia!